Poder natural: plantas que curam doenças

 20/09/2015 – A Gazeta Online – ES

Ainda cercado por crendices e críticas, o uso de plantas como remédios é cada dia mais um aliado da Medicina. A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) estimula há 40 anos pesquisas que comprovam a eficiência dessas ervas. E especialistas garantem que a fitoterapia, tipo de tratamento natural que usa extratos vegetais de plantas medicinais, pode tratar mais da metade das doenças que uma pessoa pode ter por ano. “A Organização Mundial de Saúde afirma que 60% dos problemas de saúde de uma pessoa ao longo de um ano podem ser tratadas por chás, xaropes, extrato seco e tinturas”, diz Henriqueta Sacramento, médica fitoterapeuta e homeopata. Foto: Marcelo Prest – GZ

“Gosto muito do chá de camomila para relaxar”, conta a aposentada Marta As ervas medicinais são indicadas para doenças mais leves, como gripes, resfriados, diarreias, constipação, dor de cabeça, distúrbios leves de ansiedade e do sono, e dores articulares e musculares.

“O uso desses extratos não é considerado mais crendice. Há cerca de 30 anos a legislação brasileira definiu os fitoterápicos como medicamentos e houve um aumento significativo de registros de remédios do gênero naAnvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)“, diz a médica. Devido ao avanço em pesquisas que confirmam a importância dessa área da saúde, a fitoterapia já faz parte de ações governamentais aqui no Espírito Santo. A Prefeitura de Vitória, por exemplo, doa mudas de plantas e folhas das ervas no Parque do Tabuazeiro. O fornecimento de mudas e maços de plantas medicinais é limitado a, no máximo, quatro por pessoa, durante o período de um mês. Já na fazenda do Incaper, em Viana, são distribuídas mudas, sementes e partes de vegetais. “Desde nova priorizo o tratamento com ervas, mas com acompanhamento médico e desde que não seja nada grave. Tomo para combater mal estar e para desestressar”, conta a aposentada Marta de Jesus, usuária do projeto da Prefeitura de Vitória, em Tabuazeiro.

Mas é bom deixar claro que os remédios naturais também podem ter efeitos malefícios. Plantas com princípios ativos amargos, como arruda, boldo e carqueja, são abortivos e não podem ser ingeridos por grávidas e mulheres que estão amamentando. Não é recomendado também misturar alguns fitoterápicos com medicamentos para redução da pressão, da glicose e para tratamento da aids. Idosos e crianças de até 6 meses de idade são mais sensíveis a altas doses de chás. E a fitoterapia exige alguns cuidados que não podem ser esquecidos pelos usuários. O ideal, segundo o Conselho Brasileiro de Fitoterapia, é adquirir as substâncias em ervanarias, casas oficiais de plantas ou farmácias naturais, regulamentadas pela Anvisa. “Essa erva nunca pode ser comprada na rua. Você deve saber qual é a procedência dela, porque são contraindicadas em determinadas situações”, alerta o farmacêutico Sérgio Tinoco Panizza, presidente do Conselho Brasileiro de Fitoterapia.

Entre os vários riscos, está o de vegetais podem estar contaminados. “A planta não pode estar plantada perto de aterros sanitários ou estradas. Preste muita atenção também se não há dejetos de animais no terreno. Evitar folhas mofadas e com pulgões”, explica. Na hora do preparo do chá, as folhas devem ser lavadas com água e ficar de molho por 20 minutos em solução de 1 litro de água filtrada e 1 colher de sopa de hipoclorito. Utilize a natureza a seu favor Alecrim É usado como chá, para auxilio nos quadros de desconforto digestivo e como óleo essencial para auxiliar em dores reumáticas, distúrbios circulatórios e na cicatrização de feridas, como antisséptico. É contraindicado na gestação. Alcachofra Melhora a digestão, protege o fígado e tem leve ação diurética e laxante. Pode ser consumida como chá ou em cápsulas. Não é indicado para mulheres que estão amamentando (lactantes).

Boldo O chá é indicado para má digestão, ressacas alcoólicas e cólicas intestinais. Entretanto, doses concentradas ou consumo por períodos longos podem provocar irritação gástrica. Não é recomendado para pacientes grávidas e lactantes, por causa da ausência de estudos de toxicidade. Erva-doce É indicada em casos flatulência e de falta de apetite, e para aumentar a produção de leite materno. Canela Recomenda-se o uso do pó da canela adicionado ao leite morno para abrir o apetite e no caso de distúrbios digestivos. Para adultos, o indicado é 1 colher de chá e para crianças, 1/2 colher de chá. Hortelã Tem atividade nas cólicas, é analgésica e antiparasitária (combate a protozoários). Também auxilia na prevenção da giardíase (infecção no intestino causada por parasitas). Pode ser utilizada sob a forma de xarope, sumo ou folhas picadas. Poejo Usado popularmente como antiflatulente, antisséptico e estimulante do apetite.

O chá é proibido para gestantes e crianças menores de 2 anos. MaracujáAs folhas frescas das passifloras são utilizadas para tratarem os distúrbios do sistema nervoso. Não é recomendado para gestantes e lactantes.Carqueja Possui ação no combate à gastrite e protege os rins. Não é recomendado durante a gravidez, porque é abortivo. Capim cidreiraRecomenda-se a infusão nos casos de cólicas leves intestinais ou uterinas, assim como no tratamento de dores de cabeça, enxaqueca e ansiedade.Guaco Ajuda na limpeza das vias respiratórias, com efeito dilatador e evitando a tosse. É eficaz na forma de xarope ou tintura para o alívio das tosses e alergias. Alcaçuz O chá é muito usado contra problemas pulmonares. Calêndula É útil para tratar fungos e acne, e ajuda a prevenir assaduras em crianças. A pomada pode aliviar queimaduras leves, inclusive as provocadas pelo sol.

Erva cidreira O chá apresenta um efeito sedativo, analgésico e combate distúrbios gastrointestinal. Não é recomendado o uso por grávidas e crianças menores de 2 anos. Babosa Muito utilizada como hidratante e contra a queda de cabelo. Confirmou-se recentemente sua eficácia como cicatrizante em feridas de queimaduras. A ingestão contínua ou excessiva pode causar dores abdominais, congestão pélvica, diarreia sanguinolenta, hemorragia gástrica e até nefrite. Alho Aumenta a atividade das células de defesa do organismo no combate a doenças infecciosas, como gripes, sinusites e bronquites. Evite ferver o alho, porque diminui a eficácia dos princípios ativos da substância. Romã O chá das cascas do fruto, fervido junto com a água, é empregado externamente em bochechos ou compressas, nos casos de inflamação de garganta e da boca, e na herpes. Contraindicada para gestantes, lactantes e em pacientes com asma.

Manjericão O chá combate náuseas e cólicas abdominais. Externamente, sob a forma de compressas, alivia picadas de insetos e dores musculares.Camomila O chá é calmante e pode ser utilizado contra cólicas e diarreias viróticas. Externamente, ela é utilizada na pele, nas gengivites e hemorroidas inflamadas.

Fonte: A Gazeta

FacebookTwitterGoogle+